Retirado do poder, Fernando Collor foi descansar no mar de Alagoas

Por Rodrigo Vizeu

Com os direitos políticos suspensos pelo Senado, o ex-presidente Fernando Collor deixou Brasília e voltou para seu reduto eleitoral, Maceió. Em 5 de janeiro de 1993, ele foi recebido por simpatizantes no aeroporto da cidade.

A Folha revelou à época que o comandante da PM, Newton Rocha, exigiu que soldados e oficiais de folga, vestidos à paisana e, se possível, com parentes, recepcionassem Collor.

Cem ônibus foram fretados pela polícia para transportar os manifestantes. O Estado era governador pelo aliado Geraldo Bulhões (PSC).

A PM alagoana, que também reprimiu um ato anti-Collor no aeroporto, disse desconhecer a convocação.

O caso revoltou o então deputado federal Jaques Wagner (PT-BA), que entrou com representação na Procuradoria-Geral da República contra o chefe da PM. Anos depois, Wagner deixaria a Casa Civil de Dilma Rousseff para dar espaço a uma malsucedida tentativa de fazer o ex-presidente Lula ministro da pasta.

Também estaria no Palácio da Alvorada para ver o discurso de Dilma pós-cassação.

Enquanto o novo presidente, Itamar Franco, tentava aprovar um ajuste fiscal para debelar a crise econômica, Collor descansava.

Em 7 de janeiro, o ex-presidente passou o dia na praia da Saudade, no litoral alagoano, com a ex-primeira-dama Rosane e amigos. A casa em que ele se hospedava era protegida por policiais militares.

A Casa da Dinda, propriedade privada que fora transformada em residência oficial, perdeu não apenas seus seguranças, mas também TVs, videocassete, móveis e o computador e impressora usados por Collor na preparação de seu discurso final.


Este texto, na verdade um “Enquanto isso, em 1993”, encerra a série “Enquanto isso, em 1992”, que mostrou detalhes do processo de impeachment contra Fernando Collor, buscando comparar com momentos equivalentes no caso de Dilma Rousseff.

Os demais posts estão abaixo no blog.

Nos vemos, quem sabe, em um eventual “Enquanto isso, em 2016”.